iG - Internet Group

iBest

brTurbo

meninos

07/07 - 15:41hs

Jesus Freak x Loucos por Jesus
O nome é o mesmo, mas é só o nome

Carol Patrocinio

Depois de falarmos sobre os Jesus Freak e os Loucos por Jesus, recebemos muitos comentários falando sobre a ideologia dos Loucos por Jesus brasileiros, que importaram apenas o nome e não as idéias e atitudes dos gringos! Além de que o movimento está dividido entre algumas igrejas, mudando sua concepção entre elas, o que explica a diferença da postura em cada uma.

“Podem existir falsos movimentos com o nome. Assim como padres pedófilos”

Alguns dos comentários falaram sobre a bebida – os brasileiros não bebem e consideram isso uma coisa errada, ou pelo menos parte deles, já que as opiniões são divididas. Sobre casas noturnas, baladas e bares, as opiniões continuam diversas. Veja os comentários:

“Os evangélicos da Alemanha bebem cerveja porque faz parte da cultura da Alemanha, não porque todos os evangélicos também bebem”

“Não tomamos cerveja e, detalhe: freqüentamos bares e bebemos coca-cola”

“Não sei se lá fora os Jesus Freak fazem essas coisas, mas aqui no Brasil nunca vi um Louco por Jesus bebendo e freqüentando casas noturnas”

“Se você conhece algum crente que bebe, ele tem que rever sua fé”

“Há vícios na vida que se tornam muito mais pecaminosos do que a cerveja e outras coisas citadas nos demais comentários. Antes de começarmos a nos preocupar com a imagem de ‘bom samaritano’ que passamos para as pessoas, é necessário começarmos a tomar atitudes que são apreciadas por Deus”

“Dizer que beber é pecado é praticamente inútil diante de tantos demais pecados que cometemos muitas vezes e tapamos nossos olhos para a realidade. Não estou aqui para defender bebida, jamais. O que pretendo esclarecer aos meus irmãos é que há outras feridas que também precisam serem curadas, além da bebida”

“Em relação à cerveja, eu não bebo, mas às vezes bebo vinho. :D Mas não vejo nada demais em beber uma, desde que a pessoa não se embriague. Caso isso ocorra, já é um pecado em relação a bíblia”

“Quanto às casas noturnas, não sei como são na Alemanha, mas nós, evangélicos, não freqüentamos não, só se for pra falar de Jesus aos ali presentes”

Sobre a música escutada pelos participantes do movimento, há discordâncias, já que algumas pessoas acreditam que música ‘barulhenta’ não serve para falar com Deus.

“Existem milhaaaares de bandas evangélicas de rock e quem pensa que evangélico só canta músicas ‘de velho’ está profundamente enganado”

“Da mesma forma que muitas pessoas gostam de dançar, pular e festejar ao som de música, os Jesus Freaks também dançam, pulam, gritam e festejam o que Deus fez na vida de cada um deles”

“Especificamente sobre o "movimento" na Alemanha, tenho até umas músicas de "Saphena", "Christcore" e "Technochrist". Acho que dificilmente este som sirva para louvor, as letras geralmente são feitas para as pessoas e dizem algo sobre Deus, mas louvor é música feita para Deus mesmo e então as pessoas cantam-na louvando-o, pode ser entretanto, um meio de ir ao encontro das pessoas desse meio para evangelizá-los”

“Eu me considero um Louco por Jesus, ouço heavy metal cristão, e não vejo nada demais. Nós mesmos que criamos uma imagem de Jesus mais tradicional, pela época em que ele viveu, mas esquecemos que ele é o criador de todos os ritmos e heavy metal também é um ritmo.É tudo questão de costume. Hoje não me surpreendo mais com ritmos, todos eles são exclusivamente para adorar a Deus, as pessoas que distorcem para o lado, digamos, obscuro”

O homossexualismo, segundo os comentários que recebemos, não é considerado uma doença, porém também não é bem visto.

“Não achamos homossexualismo doença, Jesus ama todos não importa o que faça ou o que fez”

“Não achamos homossexual doente não! Deus ama o pecador, mas abomina o pecado!”

“Homossexualidade não é de deus”

Apesar das diferenças de postura, de freqüentar ou não casas noturnas, consumir álcool ou ficar longe dele, de aceitar os homossexuais ou considerar algo errado, o movimento Jesus Freak ou Loucos por Jesus tem uma coisa em comum, que no fim das contas importa muito mais do que qualquer estilo musical ou a forma de vestir, todos eles se uniram para o propósito de buscar contato com a religião.

“Seguir a Jesus é algo para a nossa geração e não para ‘deixar para depois, quando eu for mais velho’”

Apesar das diferenças e detalhes contraditórios, a religião faz parte da vida desses jovens, assim como a música, a forma de se vestir e de se relacionar com o mundo. Cada um deles escolheu a melhor forma de interpretar os ensinamentos tanto de Jesus quanto do movimento, portanto, o comentário que melhor explica as diferença é:

“Ei! Somos Loucos por Jesus, e podemos sim, fazer tudo. Mas não fazemos!”

E você, é religioso? Como segue os mandamentos da igreja e do movimento Jesus Freak? Comente!

Leia mais sobre: religião

Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG

publicidade



Contador de notícias