enhanced by Google
 

Moot: "Percebi que o 4Chan saiu do controle quando FBI me ligou"

Criador de site que reúne hackers conversa com o iG Jovem sobre problemas jurídicos e comida vegetariana

Nathália Ilovatte, iG São Paulo | 19/08/2011 11:09

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Um garoto de 15 anos, estudante do Ensino Médio teve uma ideia despretensiosa e, com algum conhecimento de programação, criou um website que em pouco tempo se disseminou e causou altas polêmicas. A história de Christopher “Moot” Poole, criador do site 4Chan, onde anônimos publicam imagens e debatem assuntos, não é diferente da trajetória de Mark Zuckerberg, do lucrativo Facebook, ou Shawn Fanning e Sean Parker, do vanguardista Napster. Nem por isso Moot deixa de ter méritos.

Após oito anos no ar, o site que começou como uma versão em inglês de um fórum sobre anime e mangá tem 69 mil usuários, 773 milhões de postagens, foi banido duas vezes e coleciona vários memes e alguns problemas com o FBI.

SIGA O IG JOVEM NO TWITTER

Mas a intenção de Moot, em meados de 2003, não era chegar a esse ponto. Durante o Festival YouPIX, evento de tecnologia que acontece de quarta-feira (16) a sexta-feira (19), em São Paulo, o americano de 23 anos contou que o 4Chan começou como algo pequeno. “O site foi apresentado apenas a algumas pessoas quando foi criado, só umas vinte”, disse ele, explicando que elas chamaram outras pessoas, que chamaram outras, e assim o 4Chan explodiu. “Eu me dei conta de que o site havia saído do controle na primeira vez em que o FBI entrou me ligou”, contou Moot, divertindo-se com a história. “Eu estava na escola e eles me ligaram. Era sobre um caso de ameaça de bomba”, disse o criador do 4Chan, referindo-se às postagens que um jovem fez no site em 2006, ameaçando usar bombas em um estádio durante um tradicional campeonato de futebol dos Estados Unidos.

Foto: Nathalia Ilovatte

Christopher “Moot” Poole durante o YouPix essa quinta-feira (18)

Depois desse episódio, e de os usuários do site invadirem a conta de e-mail de Sarah Palin, candidata à presidência dos Estados Unidos, e derrubarem alguns sites, Moot tomou uma providência. “Chegou um momento em que eu tive que colocar algumas regras, tive que dizer ‘vocês não podem infringir as leis’”, afirmou. “E quando eu fiz isso muita gente protestou, mas eu tive que fazê-lo porque eu responderia pelas infrações”, explicou ele, contando que algumas pessoas saíram do 4Chan depois disso e criaram os próprios sites.

Foto: Getty Images Ampliar

Christopher “Moot” Poole

Mas, mesmo recebendo recados do FBI na secretária eletrônica, Moot garante que a iniciativa de colocar regras foi dele. “Eu não fui pressionado para fazer isso. O site cresceu muito rápido e nós estávamos tendo muito trabalho para moderar o conteúdo”, explica.

CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Moot não revela quais foram os conteúdos que o fizeram tomar essa decisão, e é evasivo quando questionado se discorda de algo que foi postado ou surgiu dentro do 4Chan. Embora o site cause controvérsias pelas ações dos usuários anônimos, o fundador parece querer se manter longe de todas elas. Ao ser indagado sobre apoiar a iniciativa de usuários que, em dezembro de 2010, invadiram sites de empresas que prejudicaram o Wikileaks, como PayPal e um banco suíço, ele sorriu. “Eu nem sabia disso”, declarou.

Mesmo com o crescimento do site, que além de reunir hackers também é responsável por alguns hits da web politicamente incorretos como o "Pedo Bear" (o famoso ursinho pedófilo), Moot diz não lucrar com o 4Chan. “Eu não ganho dinheiro com o site. Atualmente ele fatura o suficiente para cobrir os custos com servidor, mas ninguém é empregado pelo 4chan, nem mesmo eu”, garante o criador, que afirma que o único plano de expansão para o 4Chan é a criação de novas categorias internas.

Vida profissional à parte, Moot chamou a atenção das meninas do YouPIX, que mandavam tweets animados para ele durante a participação do americano no palco principal do evento. O jovem garantiu que está solteiro e comentou ter gostado das brasileiras. Também contou que, quando não está online, geralmente está trabalhando no Canvas, site de compartilhamento de imagens que é a verdadeira fonte de renda de Moot, mas às vezes também se diverte. “Eu moro em Nova York, e quando não estou trabalhando passo um tempo com os amigos”, conta. “Gosto de andar bastante pela vizinhança e gosto de comer. Sou bom na cozinha e, embora não seja vegetariano, gosto muito de pratos com vegetais. Eu vou ao cinema às vezes... Faço coisas bem entediantes”, diz.
 

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo