Justin Bieber amadurece mas não inova em seu segundo álbum, "Believe"

Cantor canadense perde a voz de criança e aposta em parcerias com grandes nomes da música pop. Veja comentários sobre o disco, faixa a faixa

Gustavo Abreu , iG São Paulo |

Justin Bieber não é mais aquele garotinho interiorano que o mundo conheceu em 2008, através de vídeos amadores no YouTube. Desde então, o canadense cresceu, engrossou a voz, desenvolveu estilo próprio e ganhou confiança, criando um império através das redes sociais , jamais visto na história da música pop.

GALERIA: Relembre a vida e carreira de Justin Bieber em fotos

Tudo isso é colocado à prova nesta terça-feira (19), com o lançamento de seu segundo disco, “ Believe ”, que chega às lojas cheio de expectativas, dois anos após o primeiro, " My World 2.0 ", que o consagrou com o hit " Baby ". E o resultado disso pode custar uma carreira ao popstar, que completou 18 anos recentemente .

Divulgação
"Believe" chega às lojas esta terça (19), nos EUA

Diferente do pré-adolescente pelo qual milhões se apaixonaram mundo afora, em seu novo álbum Justin quer mostrar que é um músico de verdade. Para provar seu talento, ele se cercou de ótimos produtores, como Rodney "Darkchild" Jerkins ( Spice Girls , Britney Spears ), Diplo ( Beyoncé , M.I.A. ), e apostou em tudo que é tendência no pop: house, dubstep, Nicki Minaj .

Siga o iG Jovem no Twitter

Aos poucos, Justin se desprende da imagem de astro teen e procura perder o estigma de “cantor Disney”, mesmo nunca tendo feito parte desse elenco. O que ele quer mesmo é entrar para o patamar de outros artistas jovens e respeitados como Bruno Mars , Trey Songz , Ne-Yo e até Chris Brown , este último quando ainda era promissor, lá em 2007.

No entanto, para seguir os passos de Justin Timberlake , considerado há exatos dez anos “o novo rei do pop”, o canadense ainda tem que comer arroz com feijão. Precisa também ouvir muita música e aprender com seus mestres, Michael Jackson e James Brown .

LEIA TAMBÉM: Teste: qual o seu grau de Biebermania?
Justin Bieber, 18 anos: do vídeo no YouTube ao reinado do pop

“Believe” é um bom disco pop, mas cheio de mesmices de tudo que está fazendo sucesso atualmente na Billboard. Não há nada de novo, nenhum sabor diferente, nenhuma marca registrada. Assim fica difícil de ser lembrado na história da música, mas Justin ainda vai entender isso.

Getty Images
Justin no início da carreira em 2009; e em 2012, prestes a lançar "Believe"

Considerando que quando lançou “ Justified ”, Justin Timberlake tinha 21 anos -- e pelo menos sete de estrada com o ‘N Sync --, ainda dá pra dar uma chance para Justin Bieber se encontrar musicalmente. Enquanto isso, ele continua fazendo a alegria das fãs e ganhando muito (mas muito) dinheiro.

Leia abaixo comentários sobre “Believe”, faixa a faixa:

“All Around The World”, com Ludacris - Justin começa o disco com um batidão bem diferente de seu estilo, pronto para bombar nas pistas de dança. A faixa mostra um cantor que está louco para ir à balada, mesmo sem ter idade pra isso direito. Quem antes torcia o nariz para o canadense, agora pode se pegar dançando a uma musica dele, mesmo sem saber quem está cantando. A faixa lembra Black Eyed Peas , Jennifer Lopez e deve funcionar na “festa de firma”. O rapper Ludacris faz participação, completando o “kit boate”.  Nota: 6 / 10

“Boyfriend” -  O primeiro single, lançado em março, mostra o lado xavequeiro do cantor, mas acaba entregando que ele ainda tem que aprender muito sobre o Jogo da Conquista  . “Se eu fosse seu namorado, nunca te largaria”. A letra é imatura, cheia de gírias, e rola até um convite pra comer fondue em frente à lareira -- podia ter ficado sem essa. A sonoridade lembra muito (até demais) Justin Timberlake , seu ilustre e eterno precedente.  Nota: 7.5 / 10

“As Long As You Love Me”, com Big Sean -  Cheia de falsetos, “As Long As You Love Me” é romântica, com uma batida de dubstep, assim como uma porção de artistas tem feito ultimamente ( Beyoncé , Madonna , só pra citar alguns). É uma das faixas mais pegajosas do disco e tem uma sonoridade bastante moderninha -- o responsável por ela é o talentoso produtor Darkchild , conhecido por trabalhar com Michael Jackson , Spice Girls e Britney Spears . A música ainda tem participação de Big Sean , um dos maiores nomes do rap jovem atualmente.  Nota: 8 / 10

“Catching Feelings” -  É a primeira balada romântica do CD, já soando como trilha de novela, com direito a “tchururu”. “Tudo em você é contagiante”, diz Justin. A faixa lembra as baladas românticas das boy bands dos anos 1990, mas de maneira até positiva. Sem dúvidas vai ganhar o coração das Beliebers, mas dificilmente dos fãs nível “moderado”Nota: 4.5 / 10

Getty Images
A música "Take You" é perfeita para uma balada na praia

“Take You” -  A música pega gancho no romantismo da anterior, mas um pouco mais “pra frentex”, com uma pegada de Pharrell , misturada a barulhinhos de video game. Logo na primeira metade, a faixa evolui e vira um batidão divertido. “Só tem eu e você nessa equação”, diz a letra. Na voz de Katy Perry, a música poderia virar hit. Na voz de Justin ficou contida, faltou ele se soltar um pouco. “Take You” tem uma pegada verão, praia, curtição e lembra um pouco a boy band britânica  The Wanted .  Nota: 8.5 / 10

“Right Here”, com Drake -  Todo o hip hop que Justin sempre disse gostar tanto finalmente fica em evidencia em “Right Here”. A faixa lembra muito as baladas românticas de Chris Brown , quando ele ainda era apaixonado por Rihanna, em 2007. A música tem participação do rapper Drake , queridinho da crítica. A música é romântica e Justin basicamente repete o tempo todo como ele é um namorado perfeito. A faixa foi produzida por Hit-Boy , jovem produtor considerado promessa do hip hop -- é ele, por exemplo, responsável por “Niggas in Paris”, de Jay-Z e Kanye West Nota: 9 / 10

“Fall” -  De todas, é a que mais lembra as faixas antigas de Justin, contando a história de dois amigos que se apaixonam e viram um casal. De todas, também, é que tem o refrão mais piegas, feito pra cantar em coro durante o show. É de longe a parte mais chata do álbum e poderia ter ficado de fora.  Nota: 3 / 10

“Die In Your Arms” -  É em “Die In Your Arms” que Justin mostra seus dotes vocais pela primeira vez em todo o disco (e demorou bastante!). Apesar de soar ligeiramente gospel, a música é dinâmica, como se Justin tivesse passado a semana inteira ouvindo Jackson 5 antes de gravá-la. O resultado é empolgante, uma das melhores com certeza. “Se eu pudesse morrer em seus braços, eu não me importaria”, diz.  Nota: 7.5 / 10

Getty Images
"Believe" tem participações de Ludacris, Big Sean, Drake e Nicki Minaj

“Thought Of You” -  A faixa começa com força e lembra muito Bruno Mars, divertida e bem humorada. Apesar do instrumental carregado, o vocal de Justin irrita no refrão e a música não evolui bem. Produzida por Diplo , responsável por hits de Beyoncé e Nicola Roberts , “Thought Of You” pode facilmente cair na trilha sonora de algum filme adolescente.  Nota: 6 / 10

“Beauty And A Beat”, com Nicki Minaj -  A mais hipster das faixas, “Beauty And A Beat” poderia ser single de uma bandinha moderna, como Cut Copy ou Miami Horror . A faixa dá margem para remixes de todas as vertentes da eletrônica e, assim como “All Around The World”, deve cair nas pistas logo logo. Ainda tem participação de Nicki Minaj , conhecida como chave do sucesso - Madonna, Britney Spears, Rihanna e Kanye West sabem bem disso.  Nota: 8.5 / 10

Getty Images
No Brasil, "Believe" será lançado pela Universal

“One Love” -  Outra balada romântica com letra clichê. É uma evolução do que Justin já fez em “My World” e poderia ter deixado pra trás. O vocal é repetitivo, na tentativa de ser grudento, mas é apenas chatinho. A música não tem sabor, com pouco potencial e todo mundo deve pular enquanto estiver ouvindo.  Nota: 4 / 10

“Be Alright” -  Esta é a única faixa do disco em que Justin pega o violão e senta no banquinho para dizer que “tudo vai ficar bem”. Por um segundo lembra o garotinho que tinha vídeos no YouTube antes de virar um monstro de vendas. Lembra também “ Favourite Girl ”, uma de suas "antigas", cantada nesse mesmo esquema durante a “My World Tour”.  Nota: 5.5 / 10

“Believe” -  A faixa que dá nome ao álbum é a mesma que Justin dá de presente para a fãs devotas. “Onde eu estaria se você não acreditasse?”, pergunta ele. É fácil escutá-la e imaginar as imagens da infância do cantor passando num telão, como em seu documentário “ Never Say Never ”. O final é épico, com direito a coral repetindo o refrão. Quem sabe pouco sobre Justin, pouco vai gostar dessa também.  Nota: 4 / 10

Leia tudo sobre: justin biebermúsicaresenhalançamentocultura pop

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG