Dead Fish comemora 20 anos de carreira com DVD ao vivo

“Conseguir viver de música é uma vitória”, diz Rodrigo Lima, vocalista da banda, ícone da cena independente

Bruno Capelas |

Divulgação
"O Dead Fish é a minha escola, a minha universidade, a minha família e o meu trabalho", diz o vocalista Rodrigo Lima

Conhecidos pelas guitarras pulsantes do hardcore e sucessos como “Você” , “Zero e Um” e “Bem Vindo ao Clube” , os capixabas do Dead Fish estão completando duas décadas de carreira em 2012. E para não deixar a data passar em branco, a banda lança no próximo dia 20 o DVD “20 Anos” gravado na mística data de 11/11/11, no Circo Voador , no Rio de Janeiro.

“Nossa ideia era fazer um show marcante, e em apenas uma data, para mostrar o que é o Dead Fish no palco”, explica o vocalista Rodrigo Lima em entrevista ao iG . No palco, ao lado de Rodrigo, estão o baixista Alyand , o guitarrista Phillipe e o baterista Marco , tocando 30 músicas de todas as fases da banda.

Divulgação
Gravado em uma única noite, o DVD "20 Anos" será lançado no dia 20 de junho

“O repertório foi escolhido parte pelo público, via Internet, e parte pela banda, que queria mostrar canções dos discos mais recentes”, conta o vocalista de 39 anos.

Siga o iG Jovem no Twitter

Gravado de maneira independente e distribuído pela gravadora Deck , “20 Anos” não será o único trabalho do Dead Fish em 2012. “Estamos em fase de produção do nosso novo álbum, que deve sair entre agosto e setembro”, comenta Rodrigo.

LEIA TAMBÉM
CPM 22 lançará disco acústico em 2013
Apanhador Só faz sucesso tocando instrumentos de sucata

Além do novo disco, também está nos planos do grupo um novo DVD, desta vez contando a história da banda, mas ainda sem previsão de lançamento.

Na entrevista a seguir, Rodrigo fala um pouco mais sobre a gravação de “20 Anos”, e comenta as diferenças entre ser uma banda independente hoje e há 20 anos. Amadurecimento, dinheiro e filhos são outros dos assuntos comentados pelo músico capixaba.

iG: Como surgiu a ideia para o DVD?
Rodrigo Lima: Queríamos registrar um show que fosse a cara da banda, para explicar melhor esses 20 anos. Escolhemos o Circo Voador porque é uma casa importante para a história do rock brasileiro, e a data 11 de novembro de 2011 pela mística da coisa. Além disso, queríamos gravar em apenas um show, não em dois ou três dias, como normalmente é feito.

iG: E qual o motivo disso?
Rodrigo Lima: Nós perderíamos a mística da data, e gravar dois dias traria mais custos para a banda. Gravar tudo de uma vez só instigou a todos nós, tanto à banda como à equipe. Acho que ficou bem coerente com a realidade da banda no palco, e fez a gente ser mais criativo e intenso.

iG:Como vocês escolheram o repertório do DVD?
Rodrigo Lima: Abrimos para votação no nosso site, e o público escolheu um repertório bem legal, mas que deixava de lado músicas mais recentes. Tiramos algumas antigas e colocamos coisas que estão nos dois últimos álbuns e que não foram contempladas no outro DVD, o “MTV Apresenta Dead Fish”, de 2004.

Divulgação
"O Dead Fish hoje consegue pagar suas contas relativamente bem,sem ter desejos de uma mansão ou um iate", conta Rodrigo

iG:O DVD conta com inéditas?
Rodrigo Lima : Íamos gravar três inéditas, mas as três tiveram alguns problemas de captação e acabaram não entrando no vídeo final. “Tijolo”, uma delas, tem um registro ao vivo que já está na Internet. É uma pena não colocar inéditas no DVD porque não mostramos o trabalho mais recente da banda, mas estamos para lançar um disco logo logo.

iG: Dá para adiantar mais alguns detalhes sobre esse disco?
Rodrigo Lima: Estamos produzindo por conta própria, e estamos no meio da produção. Deve sair em agosto ou setembro, provavelmente, e deve contar com as inéditas que não saíram no DVD.

+ MÚSICA: 10 dicas do Japinha para ser um bom baterista
Nevilton: “Não temos dinheiro, então abusamos da criatividade”

iG: Vocês tiveram um começo independente, passaram por uma gravadora e voltaram a ser independentes. Hoje, com tecnologias diferentes, dá para produzir um trabalho bom no mesmo nível de um feito com uma gravadora?

Rodrigo Lima: A única coisa que eu vejo uma diferença grande é na hora da distribuição física. Uma gravadora tem um poder maior de alcance no Brasil. De resto, não. O artista hoje faz seu trabalho, divulga, coloca na Internet para download, vende pela Internet. Dá para fazer muita coisa bacana. Até mesmo na parte de produção. Só a tecnologia não basta, é preciso ter gente que entenda o som que você quer gravar. Mas isso não é difícil. Em todo canto aparecem produtores que sabem o que estão fazendo, e muita molecada está fazendo grandes discos por aí.

Divulgação
Além de "20 Anos", o Dead Fish está produzindo seu novo álbum, ainda sem título, que deve sair no segundo semestre

iG: Como é a questão de dinheiro dentro da banda?
Rodrigo Lima: O Dead Fish hoje consegue pagar suas contas relativamente bem, sem ter desejos de uma mansão ou um iate. Fazendo uma média de quatro, cinco shows por mês e com o dinheiro de merchandising vendido pela Internet, dá para se manter bem, pagando o aluguel e saindo com os amigos no final de semana, ou, para os caras da banda que tem filhos, pagar o colégio no final do mês. Com R$ 3 mil, eu consigo viver hoje em dia. Acho que a gente não pode reclamar muito não. Pelo estilo de música que a gente faz, com a nossa postura, conseguir viver de música há dez anos é uma vitória.

iG: Você falou em filhos, e a banda está completando 20 anos agora. Como vocês lidam com o amadurecimento dentro da banda?
Rodrigo Lima: Antes, nós caíamos na estrada e ficávamos um, dois meses dentro de uma van e se divertia muito. Hoje, em parte é trabalho, mas em parte pode ser um martírio. Eu ainda não tenho filhos, mas acho que se tivesse um, ficaria complicadíssimo de passar tanto tempo na estrada. Considero o Alyand, nosso baixista, um herói por conseguir conciliar a banda e ser um pai presente na vida dos filhos.

iG: O que mudou no som da banda ao longo dos 20 anos?
Rodrigo Lima: Além dos integrantes, acho que a banda nunca soou tão coesa. Ficar velho nunca foi tão bom. Podemos ter perdido um pouco da capacidade física, mas estamos musicalmente melhores. O Rodrigo que escrevia uma letra em 1991 não é o mesmo Rodrigo que escreve uma letra hoje em 2012.

iG: Que balanço você faz da carreira de vocês ao longo dessa estrada toda?
Rodrigo Lima: Para nós, é difícil dar valor a coisas específicas na nossa jornada. Mas sei que, durante a maior parte da minha vida, estive dentro de uma banda, e essa banda é o Dead Fish. Ela é a minha escola, a minha universidade, a minha família e o meu trabalho.

Veja abaixo a primeira parte do making of de "20 Anos", o novo DVD do Dead Fish.

CONTINUE LENDO
Brasileiros mostrarão break "com sabor diferente" em campeonato no México
Série de Stan Lee ganha versão latina com “Super-Humanos” brasileiros

Leia tudo sobre: dead fishrockentrevistalançamentos

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG