Eleitores estreantes querem melhoras na saúde, educação e transporte. Comente

Decepção com os governantes, corrupção e a falta de interesse da população também são pontos comuns entre os jovens de 16 e 17 anos que vão votar pela primeira vez em 2012

Emílio Franco Jr, especial para o iG

No próximo domingo, 7, quase 140 milhões de brasileiros devem ir às urnas escolher os prefeitos e vereadores de suas cidades . Desse total, aproximadamente 2,5 milhões , de acordo com dados atualizados em abril pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), vão votar por livre e espontânea vontade . São jovens de 16 e 17 anos que, mesmo sem obrigação, optaram por participar do processo democrático.

Getty Images
2,5 milhões de jovens de 16 e 17 anos devem ir às urnas em outubro
O estudante curitibano Lucas Zantut , de 16 anos, se prepara para sua primeira eleição. Ele conta que resolveu tirar o título para exercer o direito que lhe é dado pela democracia, mas é cético quanto ao poder individual do voto. “Não acredito que sozinho seja capaz de mudar o local onde vivo, mas a consciência de ter feito minha parte é o mais importante ”, acredita.

Siga o iG Jovem no Twitter

Letícia Ghiggino , de 17, critica esse tipo de pensamento. “Se todos tiverem essa mentalidade, de que o voto não fará a diferença, nunca teremos pessoas competentes” , afirma, apesar de acreditar ser difícil mudar a realidade.

Veja o especial Eleições 2012 do iG

A visão de Guilherme Domingos Cardoso , de 17 anos, é um pouco mais positiva. Ele acredita que o voto pode transformar as cidades. “Nós elegemos nossos representantes e suas propostas e após a eleição é nosso dever fiscalizar o cumprimento das promessas”, afirma o morador de Santo André, em São Paulo, que resolveu tirar o título para ter seus interesses representados e também fiscalizar os políticos.

Letícia mora em São Paulo e sabe exatamente o que quer dos políticos. “Eu espero que melhorem a cidade, mas está difícil achar alguém competente o suficiente para fazer as mudanças necessárias” , diz, sem esconder seu desânimo antes de decretar: “Não tenho confiança nos políticos”.

Ao dar sua visão sobre o tema, Guilherme não ataca só os políticos, mas também a população. Ele elege o desinteresse dos brasileiros como o maior mal da política e acredita haver predominância de representantes dos interesses de instituições financeiras no governo, o que ele enxerga como algo negativo. “Para mim, grande parte é somente porta-voz de empresas e bancos”, lamenta.

LEIA TAMBÉM: 89% dos jovens têm orgulho de ser brasileiro
Qual o melhor modo do jovem se manifestar hoje?

Lucas concorda que a população deveria pensar melhor na hora de comparecer às urnas. “O maior culpado, além dos políticos, é o povo, que os elege”, acredita. “O Brasil é governado por fazendeiros há anos e ninguém faz nada” , revolta-se ao mesmo tempo em que escancara sua indignação com a aprovação do código florestal, que pode ser vetado pela presidenta Dilma dentro de dias.

Tem quem diga que criticar é fácil, difícil é fazer. Então, se o poder estivesse nas mãos desses jovens, quais seriam suas prioridades? Todos os entrevistados citam educação e saúde como as grandes urgências.

Guilherme e Letícia, por morarem em São Paulo e entorno, ainda lembram o transporte como outro grande problema a ser resolvido. A cidade tem registrado recordes de lentidão nas ruas mesmo com políticas restritivas à circulação de carros e caminhões, além disso os trens, que ligam a capital aos munícipios limítrofes, não escapam das panes e da superlotação.

Getty Images
Melhoras na saúde, educação e transporte são as mais esperadas por nossos entrevistados

Mas outro grande mal não foi esquecido. Na esteira da CPI que investiga as ligações do contraventor Carlinhos Cachoeira com agente públicos e privados e também com a possível proximidade do julgamento do chamado mensalão, os jovens se mostram decepcionados com o desperdício de dinheiro público que acreditam existir. “O maior mal, infelizmente, é a corrupção e a falta de seriedade de alguns políticos” , dispara Letícia.

Muito ou pouco confiantes no poder transformador do voto, os adolescentes ao menos já deram o primeiro passo para tentar melhorar o país fazendo valer o direito que têm de participar da eleição. Como a emissão do título de eleitor é opcional na faixa etária em que se encontram, muitos na mesma idade nem sequer consideram a ideia de opinar nas urnas. Guilherme, entretanto, aconselha que exerçam esse direito. “Só assim podem defender suas ideias”, pontua.

GUIA DO ELEITOR: Consulte informações sobre as eleições municipais, tire suas dúvidas sobre título eleitoral, saiba como usar a urna eletrônica

Letícia se diz ansiosa e ao mesmo tempo confusa em participar das eleições e acredita que quanto antes as pessoas se envolveram na política, melhor, mas ressalva: “se for para votar em qualquer um, melhor não tirar o título”. Ela diz que fará uma boa pesquisa sobre os candidatos para ter certeza de que votou nas pessoas certas, por mais que elas não sejam eleitas.

Para Guilherme, o maior problema é que grande parte dos brasileiros se interessam pouco por política por acreditarem que o Estado é algo muito distante e que dificilmente será modificado. Ele acredita que essa visão é equivocada, pois é o povo que compõe o governo. “Uma pessoa que não se interessa por política está condenada a ser governada por aquelas que se interessam” , conclui.

CONTINUE LENDO: Substituições na cantina podem mudar a cara do intervalo para a melhor
Três garotas superam o preconceito e aprendem a aceitar o próprio corpo

Leia tudo sobre: jovensbrasilopiniçãopolíticaeleições2012

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG